Problemas LGBT

Aceitação familiar

No dia em que criei coragem e contei aos meus pais que sou LÉSBICA foi ótimo eu me senti muito bem e eles reagiram bem também só que semanas depois (agora) eles agem estranho como se não confiassem mais em mim e querem mudar o que sou.
Também me culpam por tudo e desconfiam de tudo não é mais como antes e me sinto péssima com isso parece que querem mudar o que realmente sou eu realmente não entendo.

Etiquetas
lésbica

7 Comentários

  1. Meu filho é gay, tem 20 anos e fiquei sabendo disso há 5 anos. Tanto eu como a mãe dele vemos isso com naturalidade. Ele estuda na USP, faz turismo, recentemente concursou. É um menino tranquilo, sai e vai em baladas, mas sempre esta em contato conosco. Tenho muito orgulho dele, nenhum motivo pra crítica-lo. Seus pais precisam perceber que sua sexualidade nao interfere em seu caráter. Eles tem é a obrigação de faze-la feliz!

  2. Quem se aceita e é aceito, na sexualidade, percebem o que é viver cada dia bem: são mais escolarizados e possuem padrão de vida melhor. Os criticos homossexuais definem a homossexualidade como promiscua, o que leva muitos a “ficar no armário” e cederem à satisfação social pelo casamento hetero e à máxima “o que os outros vão dizer”. Vivamos bem sendo o que somos, incluindo a sexualidade, lembrando que, geralmente, quem critica tem um “viés” de “enrustido”!

  3. Na verdade seus pais levaram um choque em saber por isso que agiram a princípio “bem” mas o que eu posso te dizer é que se vc for menor de idade, vc vai precisar ter muito equilibrio emocional e entender que a família também sai do armário junto com o homossexual e que pra eles também não é fácil o que não justifica eles te colocarem pra baixo e te humilhar, se tu for menor de idade procure ajude aqui pela internet sobre a homossexualidade assim vc vai se sentir mais aceita, procure canais do youtube sobre homossexualidade leia mais sobre o assunto e converse com pessoas que vc sinta confiança pra falar abertamente assim vc vai se aceitando e não vai entrar em um sofrimento agora se vc é maior de idade procure sua independencia financeira e saia de casa.

  4. Eu estou intrigada com a quantidade de pessoas que ultimamente estão se assumindo gays, lésbicas, bi, o que às vezes me faz questionar, se todas essas pessoas possuem de fato essa orientação sexual ou se estão confusas com a sua própria sexualidade, talvez pela impetuosidade de experimentar o diferente. Tem pessoas que são muito bem resolvidas nessa questão ainda na infância, podendo até ser seu caso, mas os seus pais hj ainda estão confusos, por talvez não terem enxergado em vc que essa seja de fato a sua verdade. Isso ocorrer frequentemente quando os pais, percebem que vc já teve outros relacionamentos, com pessoas do sexo oposto. Isso é só uma hipótese. De qualquer forma, dê um tempo a eles para digerir essa informação que vc abriu para a família. Eu particularmente como mãe não iria deixar nunca de apoiar o meu filho, se ele fosse de fato gay, mas admito que para mim, bem lá no meu íntimo, iria ficar preocupada e não tão feliz, tenho que ser sincera né!, mas jamais deixaria de oferecer o meu amor e muito menos atrapalhá-lo na sua intimidade e nas suas escolhas.

  5. Quando meu filho era criança, e eu desconfiava que ele poderia ser gay, ficamos muitos preocupados, como se isso fosse a pior coisa do mundo. Sim, muitos estão descobrindo suas sexualidades atualmente, simplesmente porque as pessoas têm menos medo de sair do armário, as informações circulam livremente e existem leis que as protegem.
    Cada ser humano é único, ninguém é igual a ninguém. Fui a um curso (sou professor), onde nos apresentaram uma trans que é gay, mas gosta de mulheres. Ou seja, o ser humano é muito complexo, não dá pra colocarmos alguém dentro de um formato estático. O que vale é o respeito que devemos ter com o próximo. Se tenho preocupação com meu filho? Claro que tenho. Vivemos em um país de ignorantes homofóbicos, muitos deles gays que depois se descobrem que nunca saíram do armário. Casos como o de Itaberli Lozano, adolescente de 17 assassinado pela mãe e pelo padrsto no interior de São Paulo por ser gay, são emblemáticos. Mais tolerância amigos, deixe viver, deixe ser feliz do modo que quiserem, meu filho não faz mal a ninguém, você também mocinha. Seja feliz, portanto. Seus pais logo irão digerir isso, quando perceberem que você é um ser humano que quer viver do seus jeito, e não um inimigo a ser combatido.

    1. Bem oportuno o tema que trouxe da trans gay que gosta de mulheres. É uma outra situação: mães que esperaram ter filhos de um gênero e foram gerados com gênero oposto. De um lado vamos ter a pessoa com atração pelo sexo oposto, simultâneamente, o inconsciente de tal pessoa, tem o registro fetal da mãe que desejava que o gênero fosse o oposto ao que foi gerado: ai o vestir e comportar-se podem refletir o desejo da mãe!

  6. Entendo sua situação, independentemente das circunstancias você tem que ser forte , mas saiba que não importa oque aconteça você vai sempre se ferrar na vida por lésbica pois isto é apenas mais uma moda do século XXI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar