Como superar a morte do meu cãozinho?

Em 2003, meus avôs numa feira de supermercado compraram um Teckel Pelo Duro e quando cheguei em casa pela noite, vi o filhotinho. Passei 10 anos com ele, e ele comigo e minha família, ele testemunhou vários momentos importantes da minha vida, porém, agora estou dominado por uma culpa que não consigo controlar e uma dor muito grande no coração que me leva aos prantos. O cãozinho apesar de já não ser novo estava bem, porém, ao chegar do trabalho esses dias, perguntei à minha avó se estava tudo bem e ela disse que não que o cachorro tinha vomitado umas gotas de sangue e outras substâncias/comidas.
Achei que fosse só um problema de má digestão ou algo relacionado pois quando eu saí de casa ele aparentava estar bem. Minha avó contou que ele estava muito quieto aquele dia e tinha tido esses problemas que citei antes. Fui ao quarto ligar o computador, prática diária de viciado em internet e notei o ícone de exclamação indicando que a conexão não tinha sido bem sucedida. Chateado fui resetar o modem, no que ia conectar com a internet, minha avó me chamou de volta a cozinha, pedindo minha ajuda para tirar ele do chão porque estava imóvel e ela não tinha certeza que ele tinha morrido.
Quando regressei notei que perto da boca, no chão havia uma poça de sangue, que os olhos dele estavam abertos mas sem brilho e que ele estava imóvel. Não precisei nem fazer a pulsação para perceber que realmente estava morto. Aí óbvio chorei muito, mas o que está me machucando de verdade, e doendo muito nessa história, me deixando com um baita remorso e com a consciência pesada é que eu sequer me despedi do meu amigo e ele se foi. Isso é muito triste, e tem dias que eu estou assim. Só de pensar nisso começo a chorar porque fica aquela sensação que ele sofreu para !! MORRER !! e eu sequer lhe dei um apoio final, um abraço, uma palavra de conforto. Por isso, peço ajuda.

7 Comentários

  • s 1 de setembro de 2013

    Entendo as suas emoções, pois são procedentes e respeitáveis. Mas quero ponderar alguns aspectos.
    Todos, amiguinho, todos nós temos esse mesmo caminho. Um dia fechamos os olhos.
    E ninguém nos acompanha nisso. É um caminho solitário, que percorremos cada qual sem companhia alguma. E nessa hora, creio eu, em especial quando a saúde já não favorece em nada, a Natureza vem e extingue o sofrimento, interrompendo a vida que estava ruim e dolorosa.
    Não, não há apoio possível ou palavras de conforto, exceto a ação da própria Natureza que socorre interrompendo o sofrimento.
    Deixar “partir” e descansar o corpo que disso necessita, é obedecer às Leis da Natureza agora.
    Nada que você fizesse evitaria isso, e nem seria adequado, já que a interrupção da vida do seu cãozinho era necessária para livrá-lo de sofrer. E as suas “despedidas” não aliviariam, mas conforme já compreendeu, apenas a ação da Natureza cumprindo o seu papel apaziguador.
    O seu cãozinho não precisava de despedidas ou de carinho, mas da paz pelo descanso de um corpo exaurido pela doença. E isso a sabedoria da Natureza providenciou.
    Agora, guarde as boas lembranças e não chore mais. O seu cãozinho já não sofre pelas mazelas de um corpo adoecido e que o fazia viver pesadamente ao invés de com alegre.
    Ele, o seu cãozinho, cumpriu a jornada sozinho, assim como cada um de nós um dia o fará. Ninguém nos acompanha e nem é necessário, pois suponho que nessa hora somente desejamos passar e sentir alivio.

    Resposta
  • olá 1 de setembro de 2013

    Entendo muito bem o que está a passar. Eu própria vezes sem conta perdi animais de estimação pelos quais tinha muito afeto.
    Alguns por doença, acidentes, enfim…
    O seu cão era velhinho portanto deveria estar com certeza na hora dele.
    Tudo o que poderá fazer neste momento é guardar as boas memórias com o seu amigo. Falar disso com alguém também ajuda, tal como escrever até.
    É a lei da natureza, para ajudar a ultrapassar essa dor tão forte, deverá olhar para a natureza e procurar nela a força e coragem necessárias para se aguentar.
    Olhe para as árvores, espaços verdes, o mar pessoas felizes e a fazer a sua vida quotidiana e acredite que em cada coisa boa que vir e fizer o seu cão estará lá não em corpo ou espírito mas em pensamento positivo. Agora bola para a frente. Há mais amigos para conhecer e a vida continua.

    Resposta
  • Cacau 1 de setembro de 2013

    Nossa, passei por uma situação muito parecida com a sua… Tinha uma cachorrinha da raça lhasa apso que estava comigo e a minha família havia uns 11 anos. Ela por vezes adoecia, ficava quietinha, indisposta, mas sempre passava e voltava a ficar bem. Até que um dia, ela passou mal, não conseguia nem se levantar, só vomitava e ficava quietinha no canto da sala. Eu acreditei que fosse mais um episódio que iria passar e acabei nem dando muita bola pra ela. Mas aí as horas foram passando e a minha cachorrinha não foi melhorando, até que minha mãe a levou pro veterinário e ela (a cachorrinha) acabou falecendo. Foi terrível, choramos muito aqui em casa, ela era como um membro da família pra gente. E eu comecei a sentir o remorso por não ter ficado ao lado dela, por não ter dado um beijinho, um carinho de despedida, afinal eu não imaginava que ela partiria naquele momento. Hoje, depois de 2 anos, ainda me pego chorando com saudades, achando que eu poderia ter sido mais carinhosa, mais amorosa com ela… O que me conforta é que ela (e o meu outro cãozinho que também faleceu) estão no céu com Deus, e Ele está cuidando muito bem dos dois (eu tenho certeza), e do seu também!
    Mas não fique se martirizando… A culpa do seu cãozinho ter morrido não foi sua. Talvez você, assim como eu, pensava que era algo passageiro, que o bichinho ficaria bem. Mas que isso sirva de aprendizado pra que, nos momentos de doença e sofrimento, você esteja sempre por perto e ajudando a quem se ama. Um animal é muito bom, faz muito bem pra gente. Eles merecem o nosso respeito! Adote um novo cãozinho, tenho certeza de que te fará muito bem, e você a ele também.

    Resposta
  • joven 4 de setembro de 2013

    “”tes. Fui ao quarto ligar o computador , prática diária de viciado em internet e notei o ícone de exclamação indicando””

    O seu cão morreu para te despertar.. que na verdade quem esta morrendo é você…
    perdi a vida para o internet.. não desejo isso a ninguém.
    acorde.

    Resposta
  • conselheiro do óbvio 5 de setembro de 2013

    Aprenda isso na vida: O tempo é o senhor da razão. Todo sentimento que dói hj, com o tempo será amenizado e vc não sofrerá mais. Arranje outro e substitua aquele amor pelo novo. Aliás, animais não são pessoas e a expectativa de vida é curta. Tenha em mente que animais duram pouco e um dia sempre irão partir. Não se apegue demais para não sofrer ou então arranje uma tartaruga onde a expectativa de vida é em torno de 100 anos, daí vc partirá antes que ela.

    Resposta
  • MARIA SOLANGE 30 de julho de 2015

    Nossa sei que a dor é horrível, meu cão faleceu no amanhecer de terça feira dia 28/07/2015 sozinha numa baia do veterinário e isso me deixa muito triste pois será que não passou pela cabeça dele que tinha abandonado na hora que mais precisava, me culpo muito por isso, tentei dois dias fazer o tratamento em casa dei muito carinho mas não teve jeito tive que interna-lo. choro muito hoje, vejo os lugares que mais gostava de deita-lo, e não vejo mais la, quando chegava em casa vinha sempre me encontrar eu o chamava de meu negão, e agora não vejo mais ele.

    Resposta
  • Sérgio Coutinho 15 de novembro de 2015

    Um cão de estimação é como uma pessoa da família, não é um animal , perdi o meu cão sinto muita falta dele como se fosse uma pessoa, que dor difícil de superar ficou uma vida sem alegria que ele proporcionava.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *