Sinto falta da minha mãe, porém nunca a conheci.

Minha mãe faleceu quando eu tinha poucos meses de vida, em decorrência de um problema de coração que se agravou devido a gravidez. Tenho 22 anos e ainda me sinto “culpada” por isso, sinto que tirei do meu pai, dos meus avós a pessoa mais amada por eles. Ela se foi e fiquei eu, sem nada a acrescentar, “ocupando” o seu lugar.
Mas eu sinto tanto a sua falta, nunca a vi, mas sinto falta dela, queria poder pelo menos ter dado um abraço nela, dito que a amo.
Vivo um luto secreto há mais de 20 anos. Nunca contei a ninguém, pois tenho medo de acharem que é coisa da minha cabeça.
Não sei como lidar com isso.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

3 Comentários
  1. Michely Diz

    Concordo com o comentário, a sua mãe fez uma escolha: ela escolheu ter vc! Se acalme, vc não tem culpa pelo ocorrido, entendo que seja muito dificil não poder ouvir a voz dela e nem ao menos saber como ela era mas vc não tem culpa de nada, ok! Ela escolheu gerar uma criança mesmo tendo os problemas, vc já deu a maior alegria da vida dela: que foi gerar, ver a barriga crescer, sentir seus chutes e ver vc nascer: uma menina bonita e saudável. Vc já fez sua mãe muito feliz. Trabalhe essa dor, procure um psicologo e seja muito feliz, vc merece.

  2. Joice Diz

    Você está se culpando, sobre algo que não estava sob seu alcance, mudar essa realidade. Em toda história da humanidade, sempre ocorreram mortes de gestantes, pois nenhuma mulher está isenta desse risco, portanto, isso também faz parte da natureza humana. No caso da sua mãe foi uma gestação de risco, mas diariamente morrem pessoas por uma anestesia local ao remover o dente, ao tomar uma simples aspirina ou como o caso da minha mãe que após uma cirurgia bem sucedida, ficou em estado vegetativo 7 meses, posteriormente veio a falecer, pela UTI de um hospital particular, ter esquecido de dar uma reposição de potássio, por ter ficado quase 24 em jejum, uma vez que o horário da cirurgia foi adiado por falta de espaço no centro cirúrgico. Ela saiu da cirurgia conversando comigo, um pouco grogue, mas me disse: agora não vou mais sentir dores, vou ficar boa né. Eu respondi que sim, pois fui eu quem a insentivou a realizar essa cirurgia, uma vez que percebia que ela estava sofrendo muito com seu problema de saúde e arrumei um dos melhores especialistas da área. Tudo teria dado certo, se a equipe da UTI, só tivesse lido o prontuário da sua internação. Obviamente não me sinto culpada, pois mesmo sendo uma cirurgia de baixo risco, foi de pessoas inconsequentes que a matou. O caso da sua mãe ainda bem mais compreensível, do que a experiência que eu passei.

  3. Nataly Diz

    Procure um psicólogo, seja pago ou no SUS. Isso é algo comum de se acontecer num caso como o seu, e uma pessoa especializada poderá te ajudar e muito a se perdoar, e seguir sua vida sendo feliz.

Usamos cookies para dar uma experiência melhor aos utilizadores que visitam o nosso site. AceitarPolitica de Privacidade