SOBRE ESSA CULTURA DO DESAPEGO

Eu não suporto mais essa cultura do desapego que acontece hoje em dia, eu não suporto mais essa falta de contato, essa frieza emocional, essa pobreza de empatia entre as pessoas. “Quem se importa mais é o elo mais fraco”, “Quem liga primeiro é o babaca”, ” Quem demonstra interesse é fraco”, “Deve-se demorar de responder a mensagem”. Queria mais amor nesse mundo, mais demonstrações ilimitadas de sentimentos, mais doação, menos teatrinho, menos quem se importa mais, quem se importa menos, e mais pessoas que mutuamente se entendam, se amem, e se admirem. Não é fraqueza, não é ser trouxa, não é ser otário, é só sentimento. E eu, apaixonada pelas pessoas no geral, não digo apaixonada no sentido de sexo, de namoro, mas apaixonada no sentido de admiração pelas pessoas, sempre quebro a cara.Não sei se o problemas sou eu, se eu que tenho que mudar, ou se são os outros, mas enfim… Fica aqui meu desabafo.

6 Comentários

  • Fabio 18 de junho de 2016

    Às vezes é orgulho viu ? Um namoro meu rodou justamente por causa disso….infelizmente. Se eu pudesse voltar atrás tentaria fazer tudo ao oposto do que você citou aí..mesmo que isso me deixasse mais vulnerável..

    Resposta
  • Dane 19 de junho de 2016

    Realmente, as pessoas ficam com esses teatrinhos, pobreza de sentimentos, ignorância, frieza, insensibilidade etc… Acho ridículo a sociedade atual ser dessa forma, e não acredito que isso vá mudar, infelizmente.
    Enfim, ao menos há aqueles que fazem a diferença.

    Resposta
  • Girafaforever 23 de junho de 2016

    Eu queria o mesmo mas a única coisa que te posso dizer é: Faça primeiro você a sua mudança e depois alarga para os outros. Pense nisto!

    Resposta
  • V 3 de julho de 2016

    Essa cultura é educadora de todos. Se você se sente diferente, provavelmente não percebeu alguns detalhes onde não é. Ou, senão, seria a primeira pessoa que conheci fora dessa hipocrisia que nos é permitida e comum.

    Resposta
    • V 3 de julho de 2016

      Passei alguns anos me julgando uma pessoa boa, pelos meus atos e pensamentos. Nunca encontrei uma pessoa como quem eu era. Mas todos pareciam pensar como eu. Julguei que todos deveriam ser ignorantes de sua maldade, portanto. E percebi que eu também o era, exatamente onde eu não tinha consciência de que era. Eu também era ignorante de certos comportamentos que, até então, não considerava ruins, muitas vezes nem podendo ter essa consideração ainda.

  • Jonas 20 de outubro de 2018

    Não é fácil não, as vezes vc se importa demais e não recebe nada em troca, leva um banho de água fria do nada e a frieza vem naturalmente, mas tbm odeio essa cultura, adimito, esses joguinhos emocionais. Fico muito confuso com tudo isso !!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *