Não sinto amor pela minha mulher

Estou casado a apenas 3 meses e não consigo amar minha mulher. Nos começamos a namorar no ano passado e ela tinha muitos problemas no lugar que ela morava, goteiras na casa, problemas com vizinhança etc. e aí estávamos procurando um lugar para ela, e eu ajudava a procurar. Quando estava quase de mudança e eu ia mudar de cidade a casa que ela ia mudar desabou. Ela ficou muito nervosa e não sabia o que fazer e eu acabei propondo de ela vir morar comigo. Eu gostava muito dela, e achava que com o tempo conseguiria sentir amor de verdade. Mas o tempo foi passando e agora vira e meche sonho com outra garota. É ruim, por que eu jamais trairia ela e sempre vou fazer o possível para não magoar ela. Mas sinto que não vou conseguir amar. As vezes penso em só fazer ela feliz sem me importar com a mina felicidade. Uma doação sem esperar nada em troca. Mas as vezes me sinto incompleto. Me vejo num beco sem saída, pois ela não teria para onde ir e não quero que ela sofra. Obrigado pela atenção.
Luz a todos.

5 comentários em “Não sinto amor pela minha mulher

  • Ogaiht 13 de maio de 2019

    Vc tentou fazer tudo por ela e esqueceu de vc. Não a iluda mais. Se vc não quer, se afaste, deixe ela ser feliz e vá ser feliz. Simples assim. Melhor a verdade dura do q uma vida de mentiras.

    Resposta
  • Maga 14 de maio de 2019

    Acredita em mim. Tá fácil de você terminar e seguir em frente enquanto não há crianças envolvidas.
    Mas um casamento não é muito diferente disso. É racional. É ter esses sonhos e ainda assim escolher permanecer. Muitas vezes não sentir amor e paixão e ainda assim escolher se doar. Não são só palavras bonitas, é a realidade de um relacionamento quando acaba durando por décadas.

    Resposta
  • Eu 14 de maio de 2019

    Voce nao precisa continuar casado com ela porque ela depende financeiramente de voce. Separe-se, mas pague a ela uma pensão por algum tempo, até ela arrumar a vida. Mas deixe claro que nao vai ser pra sempre. Seu problema está fácil de resolver. Difícil vai ser quando ela arranjar uma barriga.

    Resposta
    • Ana julia 14 de maio de 2019

      Se ele pagar pensão, ela não irá desgrudar mais dele e continuará a fazer dele um provedor parcial. Ele tem mais é que cortar os vínculos de vez. Que pague antecipadamente para ela um quartinho por 3 meses em algum lugar e logo a seguir saia fora. Ela terá que sentir que não irá mais poder contar com sua ajuda financeira e nem de moradia. Nesse período ela terá que se virar, em correr atrás de uma profissão.

  • Manu 14 de maio de 2019

    Você ao tentar ajudar uma amiga, acabou assumindo um pacote de responsabilidades, não sabendo separar as coisas e colocar os seus próprios limites. Jamais deveria ter chamado essa mulher para sua convivência, deixando de informá-la que a sua permanência seria em caráter provisório e que ela deveria se movimentar rapidamente para ter a sua autonomia, inclusive quanto a descolar um emprego, mesmo sendo autônoma, pois nos tempos nem rico, quer mais ficar sustentando mulher em casa, com idade produtiva para trabalhar. Cada qual tem que ter as suas atividades independentes. Vc tem que tomar ainda um cuidado adicional, para ela não engravidar, pois se perceber que vc está se distanciando da relação é bem provável que apronte em cima de vc, pois não está fácil para as mulheres achar homens provedores, ainda mais generoso como vc e fácil de ser manipulado. Penso que vc deveria insistir que ela arrume urgente uma atividade remunerada, para logo a seguir se separar, Ajude-a se for o caso com que ela arrume um emprego, mesmo que seja como autônoma e se desapegue desse problema, pois vc já reparou que só ela está vivendo a sua vidinha feliz, enquanto, vc está tendo que tolerar uma situação ao tentar ajudá-la e se sente preso ao seu receio de desalojá-la da sua casa, por pena. Acredito que ela saiba que vc não a ama e que está de favor na sua vida, mas é absurdo vc sustentar esse formato de relação. Não se deixe manipular.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *